Suprimentos

Conheça os 7 melhores tipos de papel e saiba quando usar!

O papel é o principal recurso utilizado nas impressoras para dar vida a projetos criados virtualmente. É um dos materiais de escritório mais usados em todo o mundo e, também, um vilão das estratégias de sustentabilidade, já que são registrados grandes volumes de desperdícios nas empresas. Boa parte da culpa é de quem usa pois, os tipos de papel mais adequados para cada impressão nem sempre são considerados.

Hoje, existem papéis com tamanhos, cores, texturas e qualidades que variam muito, dando uma característica única aos modelos. Além disso, cada um é recomendado para um uso específico, o que exige um cuidado especial na hora da escolha.

O nosso objetivo com o post é te ajudar a resolver esse problema. Descubra a partir de agora os principais tipos de papel existentes, para que são mais indicados e por que é importante escolher o modelo ideal.

Por que você deve se atentar para os tipos de papel?

No setor de marketing, por exemplo, grande parte do trabalho é imprimir materiais de publicidade e propaganda para a realização de campanhas offline. Nesse processo, se o papel certo não for utilizado, o resultado final não será como o previsto, gerando retrabalhos e um grande volume de desperdícios. Consequentemente, os custos da campanha aumentam, comprometendo o orçamento mensal disponível para o setor.

E não é só isso! A imagem da empresa também pode ficar comprometida no processo, já que a preocupação com a sustentabilidade é uma cobrança constante da sociedade atual. Então, antes de qualquer impressão, descubra qual é o tipo de papel mais adequado para o trabalho em desenvolvimento. Se possível, faça testes imprimindo uma pequena amostra para se certificar da qualidade final do material.

Tipos de papel existentes e indicações

Agora que você já sabe da importância em escolher o tipo de papel certo para cada impressão, conheça os principais modelos utilizados pelas empresas.

1. Papel sulfite (A4 ou Offset)

O papel sulfite, também conhecido como Offset ou A4, é um dos modelos mais utilizados globalmente. Aqui no Brasil, muitos o chamam de Chamex e é muito usado em impressoras residenciais e corporativas para reproduzir trabalhos escolares, relatórios empresariais, planilhas, papéis timbrados, e-mails, apresentações, blocos de nota etc.

Normalmente, a sua superfície é áspera, fosca e na cor branca e o seu tamanho é especificado pela nomenclatura “A4”, presente nas configurações de impressoras. O nome “sulfite” foi atribuído ao modelo devido à incorporação de um material químico chamado “sulfito de sódio” em sua fabricação. É um dos modelos mais econômicos do mercado e, por isso, registra um maior número de desperdícios — é com ele que uma boa estratégia de redução de custos deve começar.

2. Papel fotográfico

Fabricado com os mesmos materiais utilizados na produção do papel couché, o fotográfico recebe uma camada adicional de polietileno, o que contribui para aumentar a sua resistência, durabilidade e brilho. Hoje, podemos encontrar mais de um tipo no mercado, e os principais são o microporoso, de linho, glossy e matte.

Cada modelo possui características próprias, como espessuras, tamanhos e texturas diferentes. Como o próprio nome diz, trata-se de um tipo de papel mais indicado para a impressão de fotografias ou materiais gráficos, como folders, em que o brilho da imagem e a durabilidade do material sejam um requisito.

3. Papel supremo

Esse tipo de papel se chama, na verdade, “cartão triplex”, mas possui o nome “supremo” como meramente comercial. Ele tem uma alta gramatura (gramas por metro quadrado), o que agrega maior resistência ao material — no geral, a sua textura é bem lisa.

O papel supremo é mais indicado para trabalhos que exijam maior qualidade visual na impressão e durabilidade extensa. Alguns exemplos são: calendários, cartões de visita, folders, embalagens de produtos, pastas de documentos, ímãs de geladeira, encartes de promoção, marcadores de página e convites em geral.

4. Papel reciclato

O papel reciclato é produzido com a reciclagem de restos de papéis sulfite e outros. O processo dá a ele uma tonalidade amarronzada e uma textura ainda mais áspera, mas, além de ser ecologicamente correto, entrega maior resistência.

A única desvantagem dele é o custo, já que é mais caro do que os modelos sulfite. Porém, ao usar esse tipo de papel, a empresa passa uma imagem de preocupação com o meio ambiente, ajudando a desenvolver uma estratégia ligada a sustentabilidade.

Trabalhos como blocos de notas, cartões de visita, papéis timbrados, cartazes promocionais, miolos de agenda e hot stamping são os mais recomendados para serem impressos nesse tipo de papel.

5. Papel couché

Parecido com o papel fotográfico, também possui uma textura extremamente lisa e brilhosa. A diferença é que, em vez de receber uma camada adicional de polietileno, ele recebe uma aplicação de revestimento adesivo em sua fabricação, o que faz com que ele seja um pouco menos brilhante.

Existem até modelos de papel couché foscos, já que o brilho excessivo dá muita vida às cores, dificultando a leitura. De qualquer forma, todos eles possuem uma textura lisa e uniforme.

Materiais que dependem de uma boa qualidade de impressão devem contar com esse tipo de papel, como catálogos de produtos, folhetos promocionais, revistas, capas de livro, flyers, folders, cartazes, malas diretas, cartões de visita, etiquetas de mercadorias e outros.

6. Papel vergê

O papel vergê é mais fino que a tradicional cartolina, mas é bem rígido se comparado ao sulfite. Ele possui uma textura levemente rugosa, com relevos, e linhas paralelas bem finas.

Ele é ideal para trabalhos que exigem um toque de sofisticação no acabamento. Por isso, é o tipo de papel perfeito para impressão de artes, convites de casamento, certificados profissionais, diplomas estudantis, folhetos promocionais exclusivos, folders, cartões de visita de alto padrão etc.

7. Papel kraft

Parecido com o papel reciclato, kraft possui uma cor natural (amadeirado), pois não recebe tratamento de coloração (branqueamento) em seu processo de fabricação. No entanto, ele tem uma resistência inegavelmente alta.

Por ser forte contra rasgos, é o tipo de papel mais indicado para a impressão de artes e confecções de sacolas personalizadas, embalagens de produtos e caixas de presente. Se precisar desse modelo para trabalhos coloridos, é possível encontrar algumas versões em tons de branco, azul, amarelo e laranja, mas, provavelmente, terá que pagar um pouco mais por eles.

Como pode ver, existem diversos tipos de papel e cada um tem uma finalidade específica. Então, para não gerar custos desnecessários para a empresa, tenha o cuidado de avaliar minuciosamente o que precisa, evitando errar na impressão dos seus trabalhos.

Gostou das dicas? Aproveite para descobrir também como o uso de suprimentos de baixa qualidade pode limitar a vida dos seus equipamentos!

Sobre o autor

Canal da Tecnologia

Deixar comentário.

Share This