Gestão Empresarial

Entenda como fazer uma gestão estratégica de TI na sua empresa

Muitas empresas ainda mantêm um departamento de TI engessado por não acompanharem as tendências evolutivas do setor. A gestão focada em simples manutenção não é mais suficiente, e isso afeta o desempenho do negócio como um todo. Deixar de investir em metodologias e tecnologias atuais, bem como em uma gestão estratégica de TI, pode levar o setor a rápida defasagem, provocando perda de força competitiva no mercado.

Mas como superar isso? O único jeito é mudar de pensamento e assumir uma postura mais firme com relação ao gerenciamento aberto e suscetível a mudanças, quando necessárias. Por isso, elaboramos este post demonstrando como o setor de TI é importante para as estratégias de negócios da empresa. Acompanhe!

Qual é a importância do setor de TI para a empresa?

O setor de TI tem relação direta com o funcionamento e o desempenho do negócio. É ele que permite manter os sistemas no ar em tempo integral e protegê-los contra riscos e ameaças externas. Se a empresa possui uma infraestrutura na nuvem e entrega serviços pela internet, essa responsabilidade é ainda maior. Uma interrupção nas operações por falhas de equipamentos, energia ou internet pode paralisar totalmente o negócio e afetar a geração de receitas.

Além disso, são os profissionais de TI que fazem o planejamento de investimentos em novas tecnologias, aplicação de novas metodologias e monitoramento e controle dos recursos. Ativos ligados à tecnologia, como hardwares (servidores, computadores, impressoras e outros equipamentos), softwares (aplicativos, sistemas de ERP e sistemas de CRM), ambientes na nuvem e dados da empresa são gerenciados por eles.

Como implementar uma gestão estratégica de TI na empresa?

O processo não é complicado, mas vai demandar tempo e esforço para o planejamento e execução do projeto. Acredite, qualquer esforço nesse sentido vale a pena. Então, descubra a partir de agora os principais passos para implementar uma gestão estratégica de TI na empresa:

Conte com ferramentas de monitoramento e controle dos recursos

Gerenciar recursos como rede de internet e energia, funcionamento dos servidores, políticas de segurança (configuração de firewall, instalação e gerenciamento de antivírus corporativo, adoção de criptografia de dados e senhas, controle de acesso por usuários) e outras funções desse nível exigem muita atenção e cuidado.

Sem uma ferramenta de apoio, essas tarefas podem ser muito trabalhosas e estar sujeitas a erros, gerando gasto de tempo e retrabalho que poderiam ser evitados. Se a empresa incentiva as práticas de BYOD (Bring Your Own Device), a necessidade de controle de acessos deve ser ainda maior, já que os endpoints (dispositivos móveis) são potenciais transmissores de vírus e malwares.

Nesse caso, use um sistema de gestão de recursos de TI que informe recursos, funcionalidades e processos em dashboards (painéis de controle) para facilitar a visualização de problemas e oportunidades de melhorias.

Delegue as tarefas para os profissionais certos

Delegar tarefas é importante para equilibrar o esforço de gestão no departamento de TI. Mas, para isso dar certo, cada profissional deve ficar responsável por uma função na qual tenha conhecimentos, habilidades e experiências.

Por exemplo: Não adianta entregar a responsabilidade de corrigir uma falha no código-fonte de um sistema, que seria de competência de um especialista em desenvolvimento de softwares, para um profissional de operações. A menos que ele tenha habilidades para isso e a empresa dê liberdade para a atuação dele em outras funções a fim de incentivar a liderança e descoberta de novos talentos.

A princípio, se houver o cuidado de delegar a função a um profissional preparado para executá-la com maestria, a empresa terá resultados melhores.

Use os recursos de cloud computing

Migre a infraestrutura de TI para a nuvem e agregue otimização ao setor e a toda a empresa. Na nuvem é possível reduzir a necessidade de investimento em infraestrutura física, entregar serviços pela internet, proporcionar mobilidade às funções do negócio, ter escalabilidade para crescer de forma sustentável a baixos custos, melhorar a segurança da rede, dados e sistemas e não depender mais de downloads e instalações de softwares nos equipamentos locais.

Toda a infraestrutura é montada e entregue por um provedor que fica responsável pela manutenção e atualização do ambiente online. Isso contribui para a redução de custos ligados à gestão de servidores e sistemas locais. A cloud computing não é mais uma tendência, mas uma realidade, e as empresas que não a adotarem terão sérios problemas de força competitiva em um breve período de tempo.

Tenha um plano de contingência

O plano de contingência, também conhecido como disaster recovery plan (plano de recuperação de desastres), representa um conjunto de ações, previamente planejadas, para prevenir a interrupção do negócio em caso de acidentes, como incêndios e desabamentos, ou catástrofes naturais, como inundações, raios ou deslizamentos de terra.

O plano envolve a criação de backups automáticos e frequentes dos dados, sistemas e ambientes completos para serem hospedados na nuvem. As cópias são duplicadas e armazenadas em servidores auxiliares com localizações distintas para garantir o acesso, caso algo aconteça com o servidor principal.

Além da parte digital, a empresa precisa ter um local físico provisório com uma estrutura (redes de internet e energia e equipamentos) montada para dar sequência às atividades e manter a geração de receitas enquanto se recupera do desastre.

Adote o outsourcing

Muitas tarefas executadas no setor de TI, simples ou complexas, poderiam ser terceirizadas para um provedor de serviços gerenciados. Geralmente, empresas que fornecem soluções de cloud computing incluem esse tipo de serviço no portfólio. Ao fazer isso, os gestores e profissionais do setor ganham tempo para focar no core business (atividade-fim) da empresa.

Porém, isso não significa perder o controle dos recursos e processos. Eles continuarão a ser executados normalmente, só que por uma equipe terceirizada. O monitoramento pode ser feito em tempo real. Essa é uma boa estratégia para reduzir custos com atividades que não são a essência do negócio.

A forma como você gerencia os recursos do setor interfere diretamente na performance do negócio. Por isso, são necessários uma postura mais profissional e o empenho em exercer uma gestão estratégica de TI. O desenvolvimento sustentável e o destaque da empresa no segmento de atuação dependem disso.

E você, como gerencia o setor de TI da sua empresa? Conte para a gente nos comentários!

Sobre o autor

Canal da Tecnologia

Deixar comentário.

Share This