Suprimentos

Segurança em rede de impressoras: por que devo me preocupar com isso?

Segundo Frederico Gimenes, Diretor de Serviços da Print Audit Brasil, aproximadamente 90% dos ambientes de rede em todo o mundo usam sistemas operacionais do Windows. Isso é bom, considerando os constantes esforços que a Microsoft vem dedicando à segurança. Mas, além da rede de Internet, a segurança em rede de impressoras também deve ganhar uma atenção especial, principalmente em ambientes corporativos.

De olho nos riscos relacionados à impressão, a Xerox lançou um dispositivo chamado ConnectKey, dando o primeiro passo e abrindo portas, no mercado, para uma preocupação maior com o assunto.

Nunca se preocupou com a segurança em rede de impressoras? Então este post é para você. Acompanhe!

O que é segurança de rede e qual a sua importância no ambiente corporativo?

A segurança de rede envolve auditar (permitir ou negar) tudo o que trafega por ela. Tanto o que entra, via Internet ou dispositivos removíveis, quanto o que sai, via e-mail, sistemas, páginas de web ou impressão, é rigorosamente monitorado.

Alguns anos atrás, a segurança de rede de Internet era o foco nas empresas. O objetivo era monitorar o tráfego dos usuários internos e bloquear acessos que representavam algum tipo de risco, como e-mails pessoais no ambiente de trabalho.

Porém, hoje, com os avanços das tecnologias, a segurança passou a ser um tema mais abrangente, alcançando os dispositivos que se conectam à rede, como smartphones e impressoras.

Esses dispositivos, hoje, são equipados com softwares que os tornam capazes de transmitir dados como um computador convencional. Com isso, os riscos de infecção por vírus os acompanharam no processo evolutivo. É por isso que os profissionais de TI devem participar ativamente das decisões de compra dos equipamentos.

No caso das impressoras, a memória utilizada nos dias de hoje tem uma capacidade de processamento comparável às utilizadas nos computadores de 10 ou 15 anos atrás. Isso torna possível a execução de códigos maliciosos.

Quais riscos uma rede fraca corre em um ambiente empresarial?

Imagine que um colaborador tenha a ideia de trazer um mouse ou teclado de casa para substituir o da empresa que esteja com problemas ou apenas para se sentir mais à vontade no trabalho. Para esses dispositivos funcionarem, não basta apenas conectá-los ao computador. É preciso baixar e instalar um drive específico. No processo, vírus e malwares podem ser inseridos na rede.

O mesmo pode acontecer com as impressoras. Há poucos anos, elas não representavam grandes riscos para a rede corporativa. Mas, agora, elas evoluíram e exigem o mesmo nível de gerenciamento aplicado a uma rede de sistemas.

De acordo com Frederico Gimenes, os principais riscos que uma rede de impressoras corre são:​

  • roubo de dados pessoais de clientes, fornecedores e informações sigilosas, bem como de estratégias de negócios;
  • parada total do negócio em casos mais graves, como na destruição de códigos dos sistemas operacionais por vírus Trojans;
  • visualização de informações confidenciais por outras pessoas que também estejam usando a impressora;
  • uso excessivo de recursos, como papel e tinta, gerando despesas desnecessárias ao negócio;
  • perda acidental de dados e pastas completas de arquivos;
  • invasão de malwares e vírus.

Quais são os pilares para uma segurança em rede de impressoras?

Voltando-se para a rede de impressoras mais especificamente, Frederico Gimenes aponta quatro pilares fundamentais para uma boa segurança:

  • ter uma equipe preparada e dedicada exclusivamente a essa função, bem como investir continuamente na capacitação dos profissionais envolvidos;
  • estabelecer parcerias com empresas MPS (Management Print Service) para gerenciar melhor as impressões;
  • realizar as configurações certas no firewall e utilizar alguns produtos, como antivírus corporativos;
  • manter a estruturação da rede, integrando adequadamente os softwares e os hardwares.

Quais medidas preventivas podem ser adotadas?

Tudo começa com a reestruturação da rede corporativa e a criação e implementação de políticas de segurança mais rígidas e dedicadas:​

  • à formação de um plano de continuidade de negócios, incluindo uma boa estrutura de backups e a restauração de dados e sistemas;
  • à contratação de serviços de segurança para o controle de firewalls e o uso de proxies e de antivírus corporativos;
  • ao licenciamento de softwares, principalmente SaaS (Software as a Service);
  • ao gerenciamento de redes e sistemas;
  • ao monitoramento de acessos.

Para alcançar um bom nível de segurança de rede, a empresa também deve investir continuamente na capacitação técnica dos administradores de rede e no treinamento dos procedimentos de acesso que os usuários devem seguir.

O fator humano costuma ser o elo mais fraco em uma estrutura de rede e a capacitação ajuda a aumentar a conscientização dos usuários e melhorar o nível de gerenciamento dos sistemas de rede, diminuindo essa fragilidade.

Como garantir uma rede segura e, ainda assim, não envolver custos elevados?

Planejamento é a base de tudo. A rede deve ser estruturada, pensando nos riscos e no crescimento da empresa. Isso exige soluções escaláveis, tanto na parte operacional quanto nas questões de segurança. “Uma forma de não envolver custos elevados e ainda manter a segurança é fazer uma boa pesquisa de mercado e conhecer parceiros qualificados”, disse Frederico Gimenes.

Por exemplo: algumas empresas, como a Katun, oferecem produtos em parceria com os serviços da Print Audit para o cliente ter uma rede de impressoras com suporte e gerenciamento de forma holística.

Nessa parceria, o cliente tem a opção de testar os serviços por 30 dias antes de contratá-los de fato. Durante o período de testes, ele ainda ganha total assistência e pode fazer um treinamento on-line gratuito.

O mais importante é que o provedor de produtos e serviços entregue soluções integradas. Conheça, a seguir, as principais ferramentas que a empresa pode usar sem gastar tanto.

Softwares de gestão de impressão

Essa ferramenta impede que os usuários imprimam documentos usando o perfil de outras pessoas. Com ela, é possível configurar limites de acesso, definindo quem pode imprimir o que em cada impressora. Por meio de senhas e biometria, o usuário ganha a permissão ou não para imprimir o que deseja, tendo todas as informações da operação registradas em seu nome.

Criptografia de dados

Existem softwares que coletam os dados de impressão de forma criptografada para manter a sua segurança caso sejam acessados de forma indevida por alguém de dentro ou de fora da empresa. É uma solução barata e bem eficiente.

Produtos “as a service

Nesse modelo de serviços, você paga apenas pelo que usa em forma de assinatura (mensalidades), e toda a responsabilidade de manutenção e atualização dos softwares fica por conta do provedor. É uma garantia de usar sempre tecnologias de ponta sem precisar investir tanto. Como a tecnologia é compartilhada com diversos usuários, os custos caem, tornando-a mais acessível às empresas de qualquer porte.

Existem outras alternativas, mas tudo vai depender do orçamento de que a empresa dispõe e da prioridade que ela dá aos dados. Só com essas dicas, já é possível estabelecer uma boa segurança em rede de impressoras, mas o apoio de um parceiro especializado é primordial para um projeto bem-sucedido.

Pronto para começar? Entre em contato com o Canal da Tecnologia agora mesmo e dê o primeiro passo para uma maior segurança em rede de impressoras!

Sobre o autor

Canal da Tecnologia

Deixar comentário.

Share This